Entrevista com intercambista: Natália Ribeiro

Mais uma segunda-feira chegou e com ela mais uma entrevista com intercambista. A ilustre entrevistada de hoje é, além de uma incrível-futura-jornalista, uma das minhas melhores amigas. A Natália Ribeiro voltou recentemente de um intercâmbio na França. Ela morou por 6 meses na cidade de Grenoble e compartilhou conosco tudo sobre seu intercâmbio!

Um pouco mais sobre a Natália…

intercâmbio na França

Meu nome é Natália Ribeiro, tenho 20 anos e nasci em Belo Horizonte. Resolvi fazer intercâmbio para a França, pois, além de ser apaixonada pelo francês, é um país que possui cursos muito bons de jornalismo.

intercâmbio na França

Infelizmente, o custo de vida na França não é dos mais baratos. Após a Suíça, a França é o país mais caro para se viver na Europa. Eu morei em Grenoble, no sul do país, por 6 meses. Lá é tudo mais em conta, pois não é a capital. As capitais, como Londres e Paris, são bem mais caras. Minha cidade fica mais perto da Itália e da Suíça do que propriamente de Paris. Mesmo assim, eu viajava pra capital da França direto. Eu tinha aula de segunda a quarta, portanto tinha um final de semana de 4 dias.

intercâmbio na França

Não preciso nem dizer que aproveitei as brechas pra viajar pra caramba, né? Conheci 13 países. Era minha primeira vez na Europa, então eu fui com sede ao pote. Eu aprendi um pouco de francês aqui em Brasília, mas, quando eu cheguei lá, o pessoal só me respondia em inglês. Eu ficava com raiva, pois queria praticar o francês. Só depois de um mês é que eu melhorei um pouco e já era capaz de conversar em francês com meus amigos. Como minhas aulas de jornalismo eram todas em francês, eu desenvolvi bastante a língua. Eu tinha várias amigas inglesas que não conseguiam falar francês, então eu falava inglês com elas. Era uma mistura louca de línguas. Pra completar, peguei aulas de italiano lá: um nó na cabeça enorme! Eu falava espanhol com os colombianos, inglês com as inglesas, italiano com as italianas, e, claro, francês com todos os outros – marroquinos, franceses, alemães, etc. Conheci gente do mundo todo!

intercâmbio na França

O que eu mais gostava na França era a gastronomia e o estilo de vida dos franceses. Eles adoram sentar em bares e restaurantes e filosofar sobre a vida, quase sempre fumando o cigarrinho deles. Eu, que era muito estressada e ansiosa aqui no Brasil, aprendi a dar valor aos momentos de lazer com os amigos. Ganhei 14 quilos, pois eu sempre fazia viagens gastronômicas e enfiava mesmo o pé na jaca. Não me importo. Acho que valeu a pena. Hoje em dia, percebo que é melhor saborear um bom prato do que ficar contando calorias. Beleza é efêmera e, o que realmente fica conosco, são as experiências boas. Portanto, nada melhor que ter um bom relacionamento com a comida.

intercâmbio na França

Para mim, o mais difícil do intercâmbio foi ficar longe dos meus pais. Eu, que sempre me considerei uma garota independente e desapegada, sofri muito em alguns momentos. Eu me virava muito bem com as democracias francesas, mas, de vez em quando, me batia uma solidão… E olha que eu era rodeada de colegas, pois morava em uma cidade universitária. Era bar todo dia. Mesmo assim, nada substitui o amor dos pais. Eles foram me visitar no Natal e no ano novo, o que me deixou extremamente feliz. Eu não conseguia me imaginar passando o natal longe deles. Natal, pra mim, é família. Felizmente, foi possível curtir o feriado com eles.

intercâmbio na França

A melhor parte de fazer um intercâmbio é lidar com pessoas do mundo todo (literalmente!), além de aprender coisas novas. É estranho – e ao mesmo tempo incrível – como cada nacionalidade tem suas particularidades. Nada como ir com a mente bem aberta pra sugar o máximo de informações possíveis. Amizades são bem fáceis de fazer, principalmente porque, na Europa, as pessoas não costumam julgar pela aparência. Ninguém liga para o que você está vestindo, muito menos pra sua aparência física.

intercâmbio na França

Minha dica para os futuros intercambistas é: aproveitem ao máximo e não tenham medo de se jogar na cultura do país que vocês vão viver! Não se esqueçam que a saudade é contornável e, claro, muito saudável pra vida. A saudade nos faz lembrar quem são as pessoas verdadeiramente importantes. Além disso, nada como fazer amizades com pessoas de outras nacionalidades. Vocês podem se surpreender com o quão duradoura essas amizades podem ser. Tenho certeza que fiz amigos lá para o resto da minha vida. Eu mudei muito ao fazer meu intercâmbio, pois deixei mesquinharias de lado (como vaidade excessiva) e comecei a dar ainda mais valor às pessoas que realmente importam. Hoje em dia, não gasto mais tanto dinheiro com roupa, mas, sim, com viagens, comida e, claro, presentes para os que eu amo.

____

Eu amei saber um pouco mais do intercâmbio da Nati, apesar de já saber bastante coisa (ser melhor amiga tem suas vantagens…). Adorei o relato dela! É incrível como um intercâmbio pode nos mudar (pra melhor)! E é incrível também como um intercâmbio é diferente do outro! Eu acredito fortemente que você que faz seu intercâmbio ser como é, e acho que isso que torna cada um tão único e especial.

Se vocês tiverem alguma pergunta em relação ao intercâmbio da Natália ou sobre intercâmbios em geral, não deixe de escrevê-la nos comentários! A Natália se colocou à disposição pra responder as dúvidas de vocês por aqui ou pelas suas redes sociais: instagram, facebook ou snapchat (natiribeiro95). Além disso, a Nati fez um blog enquanto ela estava na França pra contar um pouco mais do que ela viu/sentiu enquanto estava no intercâmbio. Os textos dela são ótimos, eu recomendo fortemente que vocês leiam!

Author: Tatyanna Gois

Tatyanna Gois é brasiliense, tem 22 anos e prefere ser chamada de Taty. Cursa Relações Internacionais mas ama fotografia, maquiagens e um bom café coado. É viciada em internet e não vive sem o celular na mão. Ela é daquelas sonhadoras incuráveis, que colocam um pouco do seu coração em tudo que decidem fazer. ♡

Deixe um comentário!

  • Nat, eu queria saber sobre os valores! (Se você não se importar em dizer, né) pois tenho muita vontade de um dia realizar esse sonho que tenho! Você foi por alguma agência? Adorei o post!

  • Belo relato. Fiquei com gostinho de quero mais. Acho que um intercâmbio é uma porta aberta pro auto conhecimento, te tira um pouco da zona de conforto ao mesmo tempo que te encoraja pra enfrentar situaçoes adversas e o que é melhor, te leva a conhecer lugares lindos