Show do Ed Sheeran em São Paulo!

Multiply album

Se você me segue em alguma rede social, provavelmente sabe que no finalzinho de Abril eu fui para São Paulo para assistir ao show do Ed Sheeran. Spoiler: o show foi fantástico. É muito difícil descrever a sensação de ver com seus próprios olhos alguém que você admira tanto, mas eu vou tentar nesse post.

A minha admiração pelo Ed Sheeran começou quando eu ainda morava na Inglaterra. A época que eu estava lá foi justamente quando seu single “The A Team” estourou e a Terra da Rainha (e a Europa em geral) começou a conhecer os talentos do ruivinho. Eu me apaixonei quase imediatamente. Comecei a ouvir todos os singles e o recém lançado álbum, “+” (Plus), e contagiei todo mundo na casa que eu morava também. Ao voltar para o Brasil, tentei divulgá-lo para o máximo de pessoas possível, e (não graças a mim, eu sei) pouco a pouco ele foi sendo reconhecido aqui também. Rapidamente ele também tinha se tornado sucesso não só aqui, mas em todo o resto do mundo, com shows esgotados em estádios e apresentações em premiações famosas.

edsheeran

O segundo álbum, “X” (Multiply), aumentou ainda mais o sucesso, com singles como “Sing“, “Don’t” e “Thinking Out Loud“. Obviamente esse CD ficou em repeat no meu carro até as pessoas implorarem para eu mudar o repertório! Haha 😀 Foi aí que ele anunciou os shows em São Paulo e no Rio de Janeiro e eu surtei (junto com milhares de outras adolescentes). S-u-r-t-e-i. Eu já tentara ir a shows dele na Inglaterra mas todos sempre estavam lotados, então aqui no Brasil seria a oportunidade perfeita. Haviam apenas alguns problemas. Primeiramente, ele não faria shows em Brasília ou algum lugar perto e isso significava que eu teria que ir para São Paulo para assistí-lo. Em segundo lugar, o show seria em dia de semana, ou seja, eu teria que matar alguns dias de aula. Para finalizar, provavelmente teria que ir ao show sozinha, já que a maioria dos meus amigos não iriam (não é exatamente simples ir pra outra cidade no meio da semana só para ver um cara tocar).

Eu estava disposta a fazer tudo isso para vê-lo ao vivo (daí você vê o nível do amor da pessoa), mas infelizmente os ingressos se esgotaram em pouquíssimos minutos e eu não consegui comprar. Por algum milagre divino, o ruivinho adicionou uma data em São Paulo e depois de muita expectativa, consegui comprar. Não consegui o ingresso no local desejado (pista premium) porque havia esgotado em menos de um minuto, mas comprei na pista e era melhor que nada.

Pulando uma boa parte da história (basicamente complicações com essa viagem), tinha chegado o grande dia. No final das contas, minha mãe me acompanharia em São Paulo mas eu iria ao show sozinha. O que era ok por mim, já que o que mais importava era que sim, eu iria num show do Ed Sheeran.

Cheguei às 17h numa fila gigantesca, acompanhada de muitos adolescentes, pessoas de uns 20-25 anos e pais que estavam acompanhando seus filhos. Em geral foi uma cena engraçada. Tinha muita gente surtando por poder finalmente ver o ídolo deles, o que eu totalmente compreendo. A diferença é que eu surto “pra dentro”, feliz mas quietinha no meu canto. As outras pessoas surtavam “pra fora” mesmo, gritando, chorando, comprando de faixas de cabelo a camisetas com o rosto do ídolo estampada nelas. Foi interessante observar o contraste dos pais que não faziam ideia de quem estaria tocando até as filhas que sabiam até o nome do pai do melhor amigo do primo do cara.

Anyway, cheguei no show já meio exausta pelo tempão que fiquei esperando na fila e depois dentro do Espaço das Américas (local onde foi o show). O show de abertura foi um cara chamado Antonio Lulic, britânico e amigo do Ed. Achei até a voz dele legal, mas as músicas não animaram muito.

Antonio Lulic concert

Finalmente, depois de uma espera que pareceu infinita, Ed Sheeran entrou no palco. A gritaria foi gigantesca, não dava pra ouvir nada. Eu, que até o momento estava surtando “por dentro”, comecei a surtar “por fora”. Chorei, gritei, sorri… Eu sei, embaraçoso. Tava parecendo as adolescentes loucas fãs de One Direction (nada contra elas, mas né…). Era uma felicidade tão grande que as lágrimas foram inevitáveis.

edsheeran

Cantei o show inteiro a todos pulmões. Obviamente fiquei rouca, suada e descabelada depois do show, mas nada disso importava muito. Acho que é isso que acontece quando você vê um show desses que você realmente gosta: nada importa, só a pessoa que tá lá tocando. Nem o cansaço, nem o empurra-empurra das pessoas ao lado, nem a gritaria, nem o fato de que você tem 1,56m de altura e tem que ficar pulando ou na ponta do pé o show inteiro.

Edsheeran

Se você nunca viu um show do Ed Sheeran na vida, veja. Pode ser pela internet ou pela tv mesmo, mas veja! O show dele é basicamente ele, um violão e um loop pedal. Só. Nada de banda atrás acompanhando. Nada de dançarinas ou coreografias. Só ele e seu talento gigantesco. O cara consegue encher o lugar de som, como se tivesse uma banda inteira atrás dele, consegue nos emocionar e nos fazer dançar. Já deu pra perceber que eu sou um pouco fã dele, né? Hahah.

Filmei bem pouco e quase não tirei fotos porque 1) queria aproveitar o show e 2) sou MUITO baixinha. Postei um desses vídeos no instagram (clique aqui para vê-lo).

Vários momentos do show foram memoráveis, mas alguns se sobressaem na minha mente. O principal deles foi quando ele começou a tocar “Kiss Me” (que ele geralmente não toca nesses shows da turnê), e “Tenerife Sea“. Essas duas músicas são lindas e têm um lugar muito especial no meu coração. <3 Nem preciso falar que chorei que nem um bebê, né? Hahaha.

edsheeran

No show o Ed falou que teve uns dos momentos mais incríveis da vida dele no Brasil e que quer voltar o mais rápido possível! Pediu desculpas por só ter feito esses 3 shows, disse que da próxima vez ele vem em mais cidades (AEEEE!) e agradeceu todo mundo que teve que viajar pra poder curtir o show dele (AEEE!). Dava pra ver que ele tava muito feliz de estar ali. Enquanto cantávamos até perder o fôlego, ele não conseguia conter o sorriso de orelha a orelha. <3

Bom, depois do show foi hora de voltar pro hotel e no dia seguinte voltar para Brasília e para realidade. Exausta, doente, rouca, mas extremamente feliz. 😀

Tatyanna Gois

Bom, é isso. O post ficou gigantesco mas queria registrar em algum lugar como é bom poder ver de pertinho o trabalho de um ídolo. Alguém ai também foi no show e gostaria de compartilhar sua experiência? Alguém não conhecia quem diabos é Ed Sheeran?! Haha digam-me nos comentários.

<3

Author: Tatyanna Gois

Tatyanna Gois é brasiliense, tem 22 anos e prefere ser chamada de Taty. Cursa Relações Internacionais mas ama fotografia, maquiagens e um bom café coado. É viciada em internet e não vive sem o celular na mão. Ela é daquelas sonhadoras incuráveis, que colocam um pouco do seu coração em tudo que decidem fazer. ♡

Deixe um comentário!